O movimento das forças armadas e a assembleia constituinte na revolução portuguesa (1975-1976)

Maria Inácia Rezola

Resumen


A 25 de Abril de 1974, o Movimento das Forças Armadas (MFA) levou a cabo um golpe de estado que derruba a ditadura que dominara Portugal durante 48 anos (1926-1974). A ideia de evitar a apropriação do golpe, e evitar uma nova ditadura, levara os capitães de Abril a proverem-se de um programa político mínimo assente em três ideias basilares: descolonizar, democratizar e desenvolver. No entanto, o derrube da ditadura não significou o imediato advento da democracia, dando lugar a uma dura e longa confrontação entre as «via revolucionária» e «via eleitoral», levando não só à desagregação do MFA como também ao questionamento do papel da Assembleia Constituinte, antes e depois da sua eleição.

 

Enviado el / Submission Date: 03/04/2012

Aceptado el / Acceptance Date: 15/05/2012

Palabras clave


Assembleia Constituinte, Revolução dos Cravos, transição para a democracia, Forças Armadas

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17811/hc.v0i13.347

2008. Todos los derechos reservados al Seminario Martinez Marina.Condiciones de UsoPrivacidad